| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL AMATA
Desde: 13/06/2001      Publicadas: 1163      Atualização: 02/08/2020

Capa |  Altamira  |  AMATA ASSOCIE-SE  |  Castelo de Sonhos  |  Desmatamento na Amazônia  |  ECOLOGIA  |  Educação Ambiental  |  ESPORTES  |  Hidrelétrica de Belo Monte  |  HIDRELÉTRICA DO TAPAJÓS  |  Opinião  |  Política  |  Poluição  |  SAUDE  |  Transamazônica  |  Turismo no Xingu


 ECOLOGIA

  29/07/2020
  0 comentário(s)


Brasil é o 3º país mais letal para ativistas ambientais

Dos 24 assassinatos de ambientalistas brasileiros em 2019, a maioria foi na Amazônia - dez deles de indígenas, aponta a ONG Global Witness

Brasil é o 3º país mais letal para ativistas ambientais

Depois de cair algumas posições no ranking que aponta os países mais perigosos para ambientalistas no mundo no ano passado, o Brasil voltou a aparecer entre aqueles onde mais defensores do meio ambiente são assassinados. Com 24 mortes registradas em 2019, quatro a mais do que em 2018, o país passou do quarto ao terceiro lugar na lista internacional, segundo relatório da ONG Global Witness publicado nesta quarta-feira (29). 

Paulo Paulino Guajajara, integrante de grupos conhecido como "guardiões da floresta", foi assassinado na Terra Indígena Arariboia, em novembro de 2019

Desde que a organização, sediada no Reino Unido, passou a sistematizar informações do tipo, em 2012, nunca houve tantos crimes como em 2019, que atingiu a marca de 212 assassinatos. No topo do ranking está outro país sul-americano, a Colômbia, com 64 mortes. Filipinas, o país "líder" do ano passado, aparece agora em segundo lugar, com 43 vítimas.

"Infelizmente, a tendência é que as coisas piorem a cada ano", comenta Ben Leather, da Global Witness, em entrevista à DW Brasil.

Entre os motivos para o aumento dessa violência, analisa Leather, está a crescente demanda pelo consumo. "Para suprir seus negócios, empresas buscam novas áreas, novos territórios, e colocam em ameaça as comunidades que estão lá e defendem suas terras, seus direitos", diz.

 

A impunidade também é vista como parte da engrenagem que sustenta o cenário. "A cada ano, defensores são mortos, e quase nenhum caso vai parar na Justiça. Quem comete os crimes se sente livre para continuar. Por isso, os governos precisam agir", ressalta Leather.

No Brasil, a grande maioria dos assassinatos de ambientalistas em 2019 ocorreu na Amazônia. Para a Global Witness, é preciso destacar que alguns tipos de ambientalistas brasileiros enfrentam riscos mais específicos e sérios. "São os indígenas os mais expostos à violência", destaca Leather.

Das 24 mortes contabilizadas em território brasileiro pelo relatório, dez delas, ou cerca de 42%, foram de indígenas. "Eles representam apenas 0,4% da população do país, ou seja, estão super-representados entre os ativistas assassinados", lamenta o membro da Global Witness.

Virada histórica

Nomes de brasileiros como o de Paulo Paulino Guajajara estão na lista da Global Witness. Conhecido como guardião da floresta, ele foi assassinado na Terra Indígena Arariboia, no Maranhão, em novembro de 2019. Paulino Guajajara fiscalizava e denunciava invasões das terras e roubo de madeira - função que se tornou mortal no país.

Um levantamento feito pelo Instituto Socioambiental (ISA) mostrou que esse território indígena na Amazônia tem sofrido com invasões e desmatamento sem precedentes. Para tirar a madeira roubada do local, os criminosos chegam a abrir mais de 100 quilômetros de estradas clandestinas por mês na mata.

"De uns tempos para cá, os ataques se voltaram mais contra os indígenas. No passado, eram os missionários que defendiam a causa que eram assassinados, mas houve esta virada histórica", analisa Christian Ferreira Crevels, antropólogo do Conselho Missionário Indigenista (Cimi).

Um dos casos marcantes foi o de Irmã Cleusa, assassinada em 1985. Como missionária, defendia a terra indígena dos Apurinã às margens do rio Paciá, em Lábrea, estado de Amazonas.

A mudança, segundo Crevels, tem uma explicação clara. "No Brasil da impunidade, as mortes dos indígenas defensores dos territórios, do meio ambiente, repercutem menos. Quantos brasileiros perderam a vida no interior e nunca foram conhecidos...", complementa.

São nomes como o de Dilma Ferreira Silva, líder rural e coordenadora regional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), assassinada em 2019 no Pará, que também consta no relatório da Global Witness.

Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual, o fazendeiro Fernando Ferreira Rosa Filho, mandante do crime, encomendou a morte da ativista por ela ameaçar denunciar suas atividades ilegais - como desmatamento ilegal - às autoridades.

"Sabemos que nosso relatório traz só a ponta do iceberg. Só contamos o número de assassinatos. Sabemos que em todo o mundo, inclusive no Brasil, há muitos defensores do meio ambiente e membros de suas famílias que sofrem muita violência: são difamados, censurados, ameaçados, assediados e presos", comenta Leather.

Discurso de Bolsonaro

O Brasil nunca foi um território seguro para ativistas do meio ambiente. Crevels, do Cimi, lembra que outros governos tiveram pontos negativos. "Os ataques não são novos. Vale lembrar que a violência da construção da usina de Belo Monte, no governo Dilma Rousseff, também deixou o seu legado de como executar um projeto na Amazônia desrespeitando tudo", pontua o antropólogo.

O governo de Jair Bolsonaro e seu ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles, no entanto, agravam o quadro. "Ele [o governo] vocaliza um apoio a situações que geram conflito territorial. As pessoas pensam: 'posso me armar e ir para o conflito que o presidente garante'", analisa Crevels.

Além disso, políticas ambientais que apontam para "perdão" futuro por crimes cometidos são apontadas como estímulo à violência. "Principalmente quando Bolsonaro diz que vai rever terras indígenas já homologadas, por exemplo, é como uma incitação à invasão", diz o antropólogo.

Leather, da Global Witness, tem uma visão semelhante. "O Brasil sempre foi perigoso para ativistas. Mas é claro que este novo governo tem uma política muito clara de priorizar lucro num espaço curto de tempo, sem considerar o meio ambiente. Ele claramente quer abrir a Amazônia para negócios em processos rápidos."

 




  Mais notícias da seção Reportagem no caderno ECOLOGIA
21/04/2019 - Reportagem - Governo Bolsonaro: 100 dias de retrocessos ambientais
Na quarta-feira, 10 de abril, Jair Bolsonaro completa 100 dias de governo e o Greenpeace Brasil realizou uma avaliação sobre a atuação do Executivo neste período em relação às questões ambientais. ...
08/09/2017 - Reportagem - Empresa cria chocolate naturalmente rosa
O produto seria a primeira inovação em 80 anos, depois da invenção do chocolate brancoCom informações de Estadãohttp://emais.estadao.com.br/noticias/tv,ary-fontoura-ataca-dilma-roussef-no-faustao-golpe-quem-deu-foi-a-senhora,10000025808O novo chocolate 'ruby', da empresa suíça Barry Callebaut...
18/03/2017 - Reportagem - Governo marcou 2030 como fim da produção e a partir de 2050 carro a combustão será proibido de rodar no país 
Os carros com motor à combustão têm os dias contados na Alemanha. Literalmente: eles vão sobreviver exatamente 4.680 dias a partir desta quinta-feira, 15 de março de 2017.O Conselho Federal do país aprovou uma resolução que proíbe a venda de veículos a diesel e a gasolina a partir de 2030 (lá eles não usam o álcool como combustível), conforme infor...
13/11/2016 - Reportagem - Casa sustentável de papelão fica pronta em 24h e dura 100 anos
casa sustentável de papelão Vista do projeto: parece ótimo morar nessa casa, não é mesmo?Casa sustentável de papelão: existe mesmo?...
17/10/2016 - Reportagem - Os cinco maiores problemas ambientais do mundo e suas soluções
Lixo e poluição do ar em BangladeshPoluição do ar, desmatamento, extinção de espécies, degradação do solo e superpopulação representam grandes ameaças, que devem ser resolvidas para que o planeta continue sendo um lar para todas as espécies....
21/06/2016 - Reportagem - Senador José Porfírio ganha duas Unidades de Conservação
Foi oficializado ontem (20), através dos Decretos de Nº 1.566 e 1.567, publicados no Diário Oficial do Estado, a criação de quatro Unidades de Conservação do Estado do Pará: o "Refúgio de Vida Silvestre (REVIS) Tabuleiro do Embaubal" e a "Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Vitória de Souzel", localizadas no município de Senador José Porfí...
27/04/2016 - Reportagem - Ano de 2015 foi o mais quente já registrado no planeta, confirma Nasa
O ano de 2015 foi, de longe, o mais quente no planeta desde que começaram os registros de temperatura no final do século 19, superando claramente o recorde de 2014, anunciaram nesta quarta-feira (20) a agência espacial Nasa e a Agência Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), dos Estados Unidos. ...
13/12/2015 - Reportagem - Países aprovam acordo histórico para limitar aquecimento
Os 195 países que participam da 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP21) aprovaram neste sábado (12) um histórico acordo para enfrentar o aquecimento global.O resultado foi amplamente celebrado pelo ministro das Relações Exteriores da França e presidente da COP21, Laurent Fabius, e pelos represe...
21/11/2015 - Reportagem - Aprovado novo prazo para fim dos lixões
Os municípios deverão ter mais tempo para acabarem com seus lixões. O Plenário do Senado aprovou o projeto (PLS 425/2014) que prorroga, de forma escalonada, o prazo para as cidades se adaptarem à Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010). A matéria é a primeira de uma lista sugerida pela Comissão Especial do Pacto Federativo, com proj...
25/04/2013 - Reportagem - Suspensa liminar que impede licença de usina no PA
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) derrubou a liminar que suspendeu temporariamente o processo de licenciamento ambiental das obras da Usina Hidrelétrica São Luís do Tapajós, no Rio Tapajós, oeste do Pará. O presidente do STJ, Felix Fischer, acatou pedido feito pela União e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A decisão do ministro dev...
30/06/2012 - Reportagem - Investigadas denúncias em santuário de tartarugas
O Ministério Público Federal abriu mais uma investigação sobre a Norte Energia, responsável pelas obras de Belo Monte, por causa de denúncias de imperícia de uma empresa subcontratada, a Biota Soluções Ambientais, que teria causado a morte de milhares de filhotes de tartaruga no Tabuleiro do Embaubal, conjunto de praias sazonais do rio Xingu, entre...
24/03/2011 - Reportagem - Clinton, Schwarzenegger e James Cameron participam de fórum em Manaus
Evento reunirá empresários e lideranças para discutir políticas públicas de sustentabilidadePolíticos, empresários e ecologistas discutirão um modelo de desenvolvimento sustentável por meio do emprego e da promoção de práticas ecológicas no 2º Fórum Mundial de Sustentabilidade, que começa nesta quinta-feira em Manaus e vai até sábado. ...
16/12/2010 - Reportagem - Governo planeja construir seis hidrelétricas na Amazônia
Juntas, elas têm potência equivalente a uma nova Belo Monte, a maior hidrelétrica brasileira, recentemente leiloada no Pará...
08/11/2010 - Reportagem - Sudeste da Amazônia pode virar savana se estiagens persistirem, alerta pesquisa
Uma sucessão de secas como a de 2010 seria capaz de transformar a porção sudeste da Amazônia em savana. A conclusão é de uma dupla de pesquisadores do Brasil e da Colômbia, que calculou pela primeira vez qual é a redução na quantidade de chuvas necessária para desestabilizar a floresta. ...



Capa |  Altamira  |  AMATA ASSOCIE-SE  |  Castelo de Sonhos  |  Desmatamento na Amazônia  |  ECOLOGIA  |  Educação Ambiental  |  ESPORTES  |  Hidrelétrica de Belo Monte  |  HIDRELÉTRICA DO TAPAJÓS  |  Opinião  |  Política  |  Poluição  |  SAUDE  |  Transamazônica  |  Turismo no Xingu